O legado da Teresa

Outubro 16, 2019

Faleceu ontem, segunda feira, 14/10/2019, as 7h50m, uma irmã da minha esposa por insuficiência cardíaca. Um exemplo de auto superação e sucesso que merecia constar nos programas de incentivo ao empreendedorismo. Muito cedo (aos 3 anos de idade) Teresa tornou – se órfã de pai. Por força deste infortúnio veio para Luanda viver com o irmão do pai, o pastor António João da ICEA. O amor a primeira vista levou-a, a sair da casa paterna muito cedo e sem a bênção paternal, indo viver com um homem que a abandonou com um filho na mão algum tempo depois. Partiu para outra relação que também não deu certo, mas resultou em mais um filho! Quem sabe terá sido naquela fase em que “comeu o pão que o diabo amassou” é que desenvolveu a maldita doença que a arrancou malogradamente da vida. Porém mesmo diante de tantas adversidades a Teresa não desistiu de lutar pela coisa mais importante para uma mulher, um lar. Vendendo no mercado da BCA conseguiu assegurar para si e seus filhos um tecto… Nestas circunstâncias muitas mulheres decidem dedicar seu amor exclusivamente aos filhos, mas no coração da Teresa que agora traiu-a havia sempre um espaço para um homem por isso juntou os trapos com o “Mano Zé” com quem teve a única menina. Já com a vida estabilizada deu continuidade aos estudos tendo concluído o ensino médio.
A data da sua morte Teresa era dona de uma vivenda que para quem parecia condenada a mendigar o resto da vida é um verdadeiro palácio e um vasto capital social do qual se destacam as colegas da praça – um verdadeiro grupo solidário com um nível de organização que supera qualquer irmandade – e a sociedade de senhoras da sua igreja local.
Além de uma vasta rede de negócios, Teresa era uma mulher de grandes sonhos. Sempre disse que no seu casamento passaria numa limousine, o que veio a ter lugar em 2016 e só não testemunhou o outro grande sonho da sua vida, “todos os filhos formados ” porque a morte roubou-a de todos nós. Mas já trilhou mais de metade do caminho. O primogénito está no último ano do curso de informática no ISUTIC, o segundo é técnico médio de laboratório clínico – já trabalha – e a cassula frequenta o ensino médio. É caso para dizer que o restante é para eles(os filhos) concluírem.
Portanto mais do que a sua imagem é a sua determinação de melhorar as condições materiais da sua vida, o amor aos seus ente queridos e sobretudo a Deus que deve permanecer nos corações de todos que estiveram ligados à ela. Que a sua memória (legado) nunca se apague entre nós!

Viana, 15 de Outubro de 2019.

Serafim Quintino


O legado da Teresa

Outubro 16, 2019

Faleceu ontem, segunda feira, 14/10/2019, as 7h50m, uma irmã da minha esposa por insuficiência cardíaca. Um exemplo de autosuperacão e sucesso que merecia constar nos programas de incentivo ao empreendedorismo. Muito cedo (aos 3 anos de idade) Teresa tornou – se órfã de pai. Por força deste infortúnio veio para Luanda viver com o irmão do pai, o pastor António João da ICEA. O amor a primeira vista levou-a, a sair da casa paterna muito cedo e sem a bênção paternal, indo viver com um homem que a abandonou com um filho na mão algum tempo depois. Partiu para outra relação que também não deu certo, mas resultou em mais um filho! Quem sabe terá sido naquela fase em que “comeu o pão que o diabo amassou” é que desenvolveu a maldita doença que a arrancou malogradamente da vida. Porém mesmo diante de tantas adversidades a Teresa não desistiu de lutar pela coisa mais importante para uma mulher, um lar. Vendendo no mercado da BCA conseguiu assegurar para si e seus filhos um tecto… Nestas circunstâncias muitas mulheres decidem dedicar seu amor exclusivamente aos filhos, mas no coração da Teresa que agora traiu-a havia sempre um espaço para um homem por isso juntou os trapos com o “Mano Zé” com quem teve a única menina. Já com a vida estabilizada deu continuidade aos estudos tendo concluído o ensino médio.
A data da sua morte Teresa era dona de uma vivenda que para quem parecia condenada a mendigar o resto da vida é um verdadeiro palácio e um vasto capital social do qual se destacam as colegas da praça – um verdadeiro grupo solidário com um nível de organização que supera qualquer irmandade – e a sociedade de senhoras da sua igreja local.
Além de uma vasta rede de negócios, Teresa era uma mulher de grandes sonhos. Sempre disse que no seu casamento passaria numa limousine, o que veio a ter lugar em 2016 e só não testemunhou o outro grande sonho da sua vida, “todos os filhos formados ” porque a morte roubou-a de todos nós. Mas já trilhou mais de metade do caminho. O primogénito está no último ano do curso de informática no ISUTIC, o segundo é técnico médio de laboratório clínico – já trabalha – e a cassula frequenta o ensino médio. É caso para dizer que o restante é para eles(os filhos) concluírem.
Mais do que a sua imagem é a sua determinação de melhorar as condições materiais da sua vida, o amor aos seus ente queridos e sobretudo a Deus que deve permanecer nos corações de todos que estiveram ligados à ela. Que a sua memória (legado) nunca se apague entre nós!

Viana, 15 de Outubro de 2019.

Serafim Quintino 


Sobre o IVA

Outubro 11, 2019

O telemóvel tocou, uma, duas, três, quatro vezes… Correndo foi a tempo de atendê-lo, porque não queria ter que retornar a chamada.  

– Espero que seja algo sério. – Pensou.  

– Aló!.. Quem?!  

– Mário?!. Oh, Mário! Que é feito de ti?  

Era um colega do tempo da faculdade lá nos idos anos 90 do século XX.  

– Epa que se passa contigo, pá? Ultimamente andas muito esquisito!  

– Como assim?!  

– Eu tenho acompanhado as tuas publicações no Facebook. Toda a gente está a falar sobre o IVA, mas tu não!  

– Oh, não ligue. Não vejo necessidade disto!  

– Oh, agora eu é que pergunto como assim?! Um assunto destes, de âmbito nacional, não te interessa?! Não estou a reconhecer-te. Sempre foste um grande «debatedor» de ideias. A tua veia política via-se a distância e a olho nu!.. Lembras-te nos tempos da faculdade?! Quando a política era essencialmente concordar ou discordar com Eduardo dos Santos ou Jonas Savimbi.

– Lembro-me,   mas agora para a alegria da minha mãe perdi o interesse pela política, se bem que também não consigo pelo menos até agora satisfazer o desejo mais profundo do coração dela.

– Anh! É verdade a tua mãe. Como é que ela está.  

– Ainda muito bem graça a Deus. Já está acima dos 80 mas ainda produz a sua própria comida! Risos.  

– Gostei desta!  

– Eh! Um dos maiores problemas da humanidade é que muitos não produzem a comida que comem e outros tantos não cuidam da própria saúde! 

Costumo dizer que a minha mãe é das poucas pessoas no mundo que só come comida! Houve um breve silêncio que indicava que não entendeu. – Sim ela só come “capim”! Comer capim – pensou!

– Ela só come folhas, legumes….

–Ah, pois, agora entendi!

– E quem me dera ter o cuidado que ela teve ao longo da vida com a sua saúde!

– E qual é o desejo dela?  

– Tornar-me pastor! Gargalhadas.  

– Com que então ela quer que sejas pastor.  

– Sim.  

– Olha que não é impossível en? Lembras que já foste um ateu do caraças.  

– Sim, claro.  

– A tua adesão à igreja apanhou-nos todos de surpresa. Portanto não me admirarei se um dia ouvir que és pastor.

– Ok. Mas voltando a vaca fria. Que achas do IVA?

– O homem explodiu em gargalhada

– Oh, como é meu?! Que se passa? Estás a rir o quê?

Continuou a rir por mais alguns minutos! Lá conseguiu conter-se e dizer em meio a riso!

– Epa, a sua pergunta fez-me lembrar um certo pastor a quem perguntaram o que achava sobre o combate a corrupção no país? O homem disse que a opinião dele é “o mesmo que andamos a ouvir nas rádios”.

– Portanto…

– Portanto, o que eu acho sobre o IVA é o mesmo que andamos a ouvir nas redes sociais. Gargalhadas.

Caxito, 10 de Outubro de 2019.

Serafim Quintino


A munkunza do Ngana Kaxitu

Outubro 4, 2019

Mana Teresa a procissão já começou. Disse-o pela segunda vez. Lá a mulher de benza ngana conseguiu parar de falar e para tentar ganhar tempo decidiu correr! Quer dizer mexer as mãos e o corpo como quem está a correr porque o seu corpo pesado e curto não o deixava… Vendo o esforço da senhora, alguns meninos batiam as palmas dizendo: corre, corre, corre! Rindo ela desistiu, porque compreendeu que não valia a pena.Quando chegou ao cemitério já o pequeno grupo de senhoras que decidira ir ao evento, maioritariamente devotas, vestidas de luto e alguns homens (contados a dedo) acompanhado por várias crianças atraídas por simples curiosidade estava a passar junto as bombas de combustíveis da Sonangol adjacente a igreja. Não sei qual é a realidade dos outros continentes, mas aqui em África as mulheres aderem mais às religiões, sobretudo as exógenas (cristianismo e islamismo) do que os homens. A maior parte dos homens prefere permanecer nas religiões tradicionais ou frequentar uma igreja ou mesquita, mas sem compromisso! A prova disto é que nenhum parente masculino do finado foi a missa do sétimo dia e não faltou quem tentasse impedir a viúva, as duas filhas e algumas sobrinhas de ir àquela cerimónia!– Deixa lá a cunhada ir a missa pá – disse um dos irmãos do finado.– Mas ela vai a missa fazer o quê?! – Retorquiu outro. – Ela é que é a dona do óbito e vai embora a igreja ouvir as aldrabices do padre!– Oh, pá calme-se. É rápido.– Oh, rápido! Rápido como, se os convidados já estão a chegar!E de facto os convidados já estavam a chegar! Vinha gente de todas as povoações do Dande e arredores: Luanda, Icolo e Bengo, Nambua Ngongo, Pango Aluquém, Bula Tumba, etc., entre Dembos, sobas e sobetas para a última homenagem ao Ngana Kaxitu.O velho Kaxitu havia aderido à igreja por pressão de uma doença prolongada e persuasão de devotas amigas da família que prometeram milagres da Santa Ana caso assistisse as missas. Este é (ainda) o outro problema da maioria dos Africanos hoje: buscar soluções milagrosas ao invés de técnicas; soluções espirituais para problemas físicos.Na verdade Kaxitu era um adorador da Kianda, mas na situação em que se encontrava não custava nada tentar a sorte noutras divindades supostamente mais poderosas! Contudo o esperado milagre não aconteceu. Kaxitu teve mesmo que responder a chamada do Criador. Só não estava claro para os vivos se tinha ido direito ao Céu ou se teve que fazer uma paragenzinha no purgatório. Todavia, a julgar pelas palavras do padre havia, um quase consenso que o homem não tinha condições de ir direito para o Céu. Ele, que segundo as más-línguas era membro da família que fizera o feitiço do Jacaré bangão que pagou imposto as autoridades coloniais Portuguesas.– Muita gente não percebe porque nós os católicos celebramos a missa do sétimo dia. A missa do sétimo dia é uma tradição que tem fundamento nas sagradas escrituras. Há evidências nas escrituras de que algumas pessoas quando partem para a eternidade precisam das orações dos entes queridos vivos para puderem entrar no Céu. E sabendo a vida que o nosso querido velho Kaxitu levava antes de se render a Deus só pode estar a precisar das nossas preces.

Caxito, 4 de Outubro de 2019.

Serafim Quintino


África

Outubro 2, 2019

Já não és tão preta quanto…

Quando te conheci!

Leia o resto deste artigo »

Morar no sonho

Outubro 2, 2019

Vou me mudar para o sonho!
Lá a cidade é limpa,
O ar cheira a flores.A última vez que sonhei,

Leia o resto deste artigo »

Noite de escuridão

Outubro 1, 2019

Leia o resto deste artigo »